Text of Interview of Outgoing Ambassador A. R. Ghanashyam in Journal De Angola


Conducted by : Candido Bessa, Jornal De Angola        20th September,2010

India is one of the largest manufacturers of handsets , laptops , televisions, DVD players and computer chips . Indian  accountants are present in the  largest financial institutions worldwide and has a vast technology park. Among the countries with the highest growth rates in the world ( the so-called BRIC countries - Brazil, Russia, India and China), is one that will continue to grow above 5 percent and can become , by 2050, the third largest economy in the world , behind China and the United States . The outgoing ambassador to Angola, Ajjampur Ghanashyam , speaks of cooperation between the two countries, the role in reconstruction and development of Angola and explains how a country with 23 official languages and over 1600 regional areas, built a strong democracy , a strong economy and also puts more people on the list of the biggest millionaires worldwide.

Jornal de Angola - How does a country that was just the latest tepo , became the world leader in the production of equipment and services for information technology and experts say will be the third largest economy by 2050?

Ambassador Ajjampur Ghanashyam – We have huge faith in quality education. The Government encourages people to study. Parents send their children to school and can face fines and risk going to jail otherwise. The schools serve breakfast, lunch and tea and it also encourages parents , especially when they have to go to work. The Indians culturally aspire to  send their children to better schools and  saves to achieve this dream. The government also sends students to top universities worldwide who then return and participate in developing the country.

JA - How did this progress in so little time?

EAG - Education and democracy were the two things that made India where we are today. There is great cooperation between the state and local communities. It's the community that decides the priorities, the investments needed for their areas. The state goes to these areas and discuss with community leaders. They help also to monitor the application of resources, because the authorities can not control everything. Included are community members that tell whether or not some parents to send children to school.

JA - What factors contribute to the development in India?

EAG - We have quality education, schools and universities are recognized worldwide , natural resources, large expanse of forests, numerous rivers, and bet strong in agriculture. We are among the largest producers of milk in the world, we are the second largest producer of fruit and other products are also on top. When they liberalized the market in 1991, the economy began to grow , create jobs, and many engineers , scientists and teachers began to return home. Many of these people began to open small and medium businesses that are today the engine of our economy. This also helped to attract major companies worldwide.

JA - How is it that India has participated in the reconstruction of Angola?

EAG -
We are in the rehabilitation of roads , rail , through the provision of locomotives and training of Angolan technicians . Sold locomotives , trained staff and installed the raillines. Once we are sure that Angolans can now carry on the work alone, we withdrew. So you do not see many Indians there. Our idea is to train Angolans and give them the opportunity to do things well. This is our idea of cooperation. We proposed also the union of the three national railways, with the construction of a vertical line that goes from North to South This will contribute to the development of the inland provinces.

 JA - Are there other areas in India cooperates with Angola?

EAG - We have a large number of Indian technicians working in the field of oil and gas company Sonangol and other companies. The ships carrying fuel Sonangol are manned by Angolan technicians trained by experts from India. We still have a team of 1,600 Indian technicians working in Angola LNG Project. The Buses Angola bought from India were specially made for Angola. Our policy is that next to each Indian shall be an Angolan, to learn and gain experience.

.JA - After spending three years in Angola, how will you evaluate the cooperation between the two countries?

EAG - The cooperation between our two countries date from 1761 and throughout the Portuguese colonization. Already at the stage of liberation, India has been at the forefront of countries that sought the independence of Angola in the United Nations. We were always together and today we have very close relations . We are now in a recovery phase after a cooling due to the war Angola suffered.

JA - What makes you so optimistic ?

EAG - Are the results we are achieving . When I arrived in Angola , three and a half years , trade between our two countries was 300 million dollars. Now, in just 10 months we have reached four billion dollars. We believe that results will close the year with over five billion dollars. India is now the third largest market in Angola , after China and the United States and more importantly are the prospects that exist for this country. Exists in this country a great potential that needs to be explored

 JA - Which sectors have contributed to the achievement of these records ?

EAG -
More than half of trade between our countries is dominated by oil. India buys crude oil from Angola and the Angolan import oil derivatives . India also exports meat , transportation equipment (buses , cars, tractors, locomotives) , pharmaceuticals and textiles. In Angola we have record exports of oil , iron , steel, copper , aluminum and lead and its derivatives.

JA - India has one of the largest technology parks in the world. How did this transformation occur ?

EAG - In the '70s , we decided not to import technology. We envisioned a program and began to develop our own technology. Two months ago, we launched five satellites into space, because we have technology and intellectual know how. There are many countries in the world capable of launching satellites into space. But India does it with cheaper technology .Countries such as France use India to launch their satellites. Many European companies and U.S. are also established in India and take advantage of technology and creativity of scientists , engineers and doctors in India. The Windows program, Microsoft, for example , was developed by young Indians

 .JA - What cooperation exists with Angola in the technology sector ?

EAG - The strength of India lies in what we call in English. Affordable, Adaptable and Appropriate (AAA) Technologies (Technologies adaptable, appropriate and accessible). We have proposed to the Ministry of Telecommunications of Angola, a mega project of E -connectivity by using technology and Indian experts . We have already signed the project with 49 African countries and we intend to do it too with Angola. We provide quality medicine to Angola via satellite, where doctors will be able to Angolans in the country , considered complex surgeries with the help of Indian experts . Another component of the project is education. The rooms will be in Angola and teachers in India. The connection is made via satellite. We are  awaiting a response from the Angolan authorities for this mega project from the past 3years. Moreover, an Indian pharmaceutical company wants to create, in Angola, a production of intravenous fluids , and a production center for artificial limbs. These are projects that will allow technology transfer to Angola at zero cost.

 JA - As the economic crisis affected the cooperation between the two countries?

EAG -
The crisis has not affected trade between our two countries because India's economy is largely domestic and their fundamentals are strong. Indian entrepreneurs are by nature innovative and cautious and the banking sector is well regulated and governed by effective. All these aspects have helped to withstand the impact and continue to grow above 7 percent, while many world economies contracted . This year India has approved two credit lines for Angola : The first , worth 30 million dollars to build an industrial park, and another , valued at $ 15 million to rehabilitate the production of cotton.

JA - Is there any cooperation in the field of management training?

EAG - Already existed and we are taking steps to revive . In 1986 , the then Prime Minister Rajiv Gandhi came to Angola and met President Jose Eduardo dos Santos. Both have become good friends because they had obtained training abroad. In 1987 , President Jose Eduardo dos Santos was on India and on his return , decided that cooperation would be the priority in education. 40 students were selected and sent to India in 1989. Studied Science , Commerce , Pharmacy and Languages. I know some who today occupy government posts and others are businessmen. With the intensification of the war, the program stopped . But India offers every year , several training courses through the Technical Program of Economic Cooperation of India. We have thousands of participants from Africa, Asia, Latin America and Western Europe. Next year , 50 Angolans go to India for training.

JA - What areas of training Angolans can get from India ?

EAG - In the training of accountants , managers and engineers, principalmente.A India also has a worldwide reputation in information technology , biotechnology , nanotechnology , pharmaceuticals , agriculture and creation of small and medium industries , and a huge network of training institutions courses for illiterate people . These courses ranging from two weeks to three months or even a year and may contribute to the development of Angola.

JA - What does it mean for India's cooperation with Angola?


EAG – For us Angola is more than a major supplier of oil. Today India imports about 7 percent of Angola's oil production, but would buy more from Sonangol, perhaps as high as 10 percent. We have 18 refineries and import 70 percent of oil that we need to transform.It is also an important component in solving global problems such as the global food crisis and an important player in resolving regional conflicts. Throughout the story, I do not remember a country that has grown as much as Angola in just eight years . It is important that the Angolans will feel proud and can say: this is my homeland, this is my job, this is my home, this is my street. This demonstration of pride elevates patriotism. This is also one of the secrets of success in India.

JA - What you see similarities between Angola and India?

EAG - Both are fighting the same enemies: poverty and unemployment. Angola is rich in natural resources (oil and diamonds) , which is rebuilding itself after a long war of nearly three decades. If you bet big on quality education, will soon join the countries responsible for global growth. It has huge resources, huge tracts of arable land, lots of water , political stability and strong leadership. Angola has good ministers, but must have teachers, doctors, engineers and science to develop the country. When you fill this void, it will give letters in the world.

JA - How is the relationship between entrepreneurs of both countries?

EAG -
The state oil companies of both countries (Sonangol and Oil and Natural Gas Corporation Videsh Ltd ) signed in January this year , here, an agreement to cooperate in oil and gas in Angola and not just in India but also other countries. The number of Angolans who visit India tripled in the last three years and is largely composed of businessmen. Visitors to the Trade Fair and Trade of India have also increased and the India -Africa business encontrode attracts more and more Angolans. The number of business visits of Indians to Angola is still limited because of difficulties in obtaining visas . There are few companies operating in Angola. Are for steel , plastics , paper and pharmaceutical industry. But there are many who want to come here.

JA - What incentives exist to encourage investment between the two countries?

EAG -
The Indian embassy in Luanda and Angola in New Delhi are the ideal places for information on accessing information, technologies and partnerships with Indian entrepreneurs . On our website and in the Internet , there is information on chambers of commerce or trade fairs. The India -Africa Meeting , organized by Confederation of Industries and the EXIM Bank of India, is another opportunity. But the two governments must first sign some documents to protect investments. We hope to do so during the forthcoming visit of President Jose Eduardo dos Santos to India.  

 

Estou optimista na cooperação entre Angola e a Índia

 

amb1


Embaixador cessante da Índia afirma que grande aposta deve ser dada à educação

A Índia é um dos maiores fabricantes de aparelhos de telefone, laptops, televisores, aparelhos de DVD e chips para computadores. Tem contabilistas nas maiores instituições financeiras mundiais e possui um vasto parque tecnológico. Entre os países que apresentam as maiores taxas de crescimento do mundo (os chamados BRIC – Brasil, Rússia, Índia e China), é aquele que vai continuar a crescer acima dos 5 por cento e pode tornar-se, até 2050, na terceira maior economia do planeta, atrás apenas da China e dos Estados Unidos. O embaixador cessante em Angola, Ajjampur Ghanashyam, fala da cooperação entre os dois países, do papel na reconstrução e desenvolvimento de Angola e explica como um país, com 23 línguas oficiais e outras 1600 locais, construiu uma democracia forte, uma economia igualmente sólida e coloca cada vez mais cidadãos na lista dos maiores milionários mundiais.

Jornal de Angola - Como é que um país, que há pouco tepo era dos mais atrasados, transformou-se em líder mundial na produção de equipamentos e serviços de tecnologia de informação  e, segundo especialistas, vai ser a terceira economia mundial em 2050?

Embaixador Ajjampur Ghanashyam - Apostamos muito na educação de qualidade. O Governo incentiva as pessoas a estudar. Os pais que não mandam os filhos para a escola pagam multas e correm o risco de irem para a cadeia. Nas escolas é servido pequeno-almoço, almoço e lanche e isso também incentiva os pais, principalmente quando têm de ir trabalhar. Os indianos ganharam a cultura de mandar os filhos para as melhores escolas. Fazem economias para concretizar este sonho. O Governo também manda estudantes para as principais universidades mundiais, que depois regressam e participam no desenvolvimento do país.

JA - Como é que conseguiu este progresso em tão pouco tempo?

EAG - A educação e a democracia foram os dois aspectos que elevaram a Índia para onde estamos hoje. Existe grande cooperação entre o Estado e as comunidades locais. É a comunidade que decide as prioridades, os investimentos necessários para as suas áreas. O Estado vai a estes locais e discute com os líderes comunitários. Estes ajudam, também, a controlar a aplicação dos recursos, porque as autoridades não podem controlar tudo. Inclusive são os membros das comunidades que informam se alguns pais estão ou não a mandar os filhos para a escola. Estes líderes são eleitos através de escrutínios locais. Todos os dias há eleições a decorrer em alguma localidade da Índia.

JA - Que factores contribuem para o desenvolvimento na Índia?

EAG -
Temos educação de qualidade, escolas e universidades mundialmente reconhecidas, recursos naturais, grande extensão de florestas, vários rios, e apostamos forte na agricultura. Estamos entre os maiores produtores de leite do mundo, somos o segundo maior produtor de fruta e em outros produtos também estamos no topo. Quando liberalizamos o mercado, em 1991, a economia começou a crescer, a criar empregos e os vários engenheiros, cientistas e professores começaram a regressar a casa. Muitos destes cidadãos começaram a abrir pequenas e médias empresas que são hoje o motor da nossa economia. Isso contribuiu também para atrair as maiores companhias mundiais.

JA - Como é que a Índia tem participado na reconstrução de Angola?

EAG - Estamos na reabilitação dos caminhos-de-ferro, através do fornecimento de locomotivas e formação de técnicos angolanos. Vendemos as locomotivas, treinamos o pessoal e instalamos as linhas. Depois de termos a certeza que os angolanos já podem levar o trabalho adiante sozinhos, nós nos retirámos. Por isso que não se vê muitos indianos por aí. A nossa ideia é formar os angolanos e dar-lhes a possibilidade de fazerem as coisas bem-feitas. Esta é a nossa ideia de cooperação. Propusemos, também, a união das três linhas férreas nacionais, com a construção de uma linha vertical que sai do Norte para o Sul. Isso vai contribuir para o desenvolvimento das províncias do interior.

JA - Em que outras áreas a Índia coopera com Angola?

EAG - Temos um grande número de técnicos indianos a trabalhar no sector do petróleo e gás na Sonangol e em outras companhias. Os navios de transporte de combustível da Sonangol são tripulados por técnicos angolanos formados por especialistas indianos. Temos, ainda, uma equipa de 1.600 técnicos indianos a trabalhar no Projecto Angola LNG. Os autocarros que Angola comprou da Índia foram feitos especialmente para Angola. A nossa política é de que ao lado de cada indiano esteja um angolano, para aprender.

JA - Depois de ter passado três anos em Angola, como avalia a cooperação entre os dois países?

EAG -
A cooperação entre os nossos dois países data de 1761, através da colonização portuguesa. Já na fase de libertação, a Índia esteve na dianteira dos países que procuraram a independência de Angola junto das Nações Unidas. Sempre estivemos juntos e até hoje temos relações muito próximas. Estamos agora numa fase de relançamento, depois de um esfriamento devido à guerra que Angola viveu.

JA - O que lhe deixa tão optimista?

EAG - São os resultados que estamos a alcançar. Quando cheguei a Angola, há três anos e meio, o comércio entre os nossos dois países era de 300 milhões de dólares. Agora, em apenas 10 meses já atingimos os quatro mil milhões de dólares. Acreditamos que fecharemos o ano com resultados acima dos cinco mil milhões de dólares. A Índia é agora o terceiro maior mercado de Angola, logo depois da China e dos Estados Unidos e o mais importante ainda são as perspectivas que se abrem para este país. Existe, neste país, um grande potencial que precisa ser explorado.

JA - Que sectores contribuíram para o alcance destes registos?

EAG – Mais de metade do comércio entre os nossos países é dominado pelo petróleo. A Índia compra crude de Angola e os angolanos importam produtos derivados de petróleo. A Índia também exporta carne, equipamentos de transporte (autocarros, carros, tractores, locomotivas), medicamentos e tecidos. Nas exportações de Angola temos registo de petróleo, ferro, aço, cobre, alumínio e chumbo e seus derivados.

JA - A Índia possui hoje um dos maiores parques tecnológicos do mundo. Como é que se deu esta transformação?

EAG -
Nos anos 70, decidimos não importar tecnologia. Gizamos um programa e começamos a desenvolver a nossa própria tecnologia. Há dois meses, lançamos cinco satélites no espaço, porque temos tecnologia e cérebros. Não existem muitos países no mundo capazes de lançar satélites no espaço. Além de que fica muito mais barato a tecnologia na Índia. Países como a França usam a Índia para lançar os seus satélites. Muitas companhias europeias e norte-americanas também estão instaladas na Índia e aproveitam a tecnologia e criatividade dos cientistas, engenheiros e doutores indianos. O programa Windows, da Microsoft, por exemplo, foi desenvolvido por jovens indianos

JA - Que cooperação existe com Angola no sector das tecnologias?

EAG - A força da Índia reside naquilo que em inglês chamamos Affordable, Adaptable and Appropriate (AAA) Technologies (Tecnologias adaptáveis, apropriadas e acessíveis). Propusemos, ao Ministério das Telecomunicações de Angola, um mega projecto de E-conectividade, utilizando tecnologia e peritos indianos. Já assinamos este projecto com 49 países africanos e pretendemos fazê-lo também com Angola. Queremos providenciar medicina de qualidade para Angola através de satélite, onde os médicos angolanos vão poder fazer, no país, cirurgias consideradas complexas com auxílio de especialistas indianos. Outra componente do projecto é educação. As salas vão estar em Angola e os professores na Índia. A conexão é feita por satélite. Estamos há três anos a aguardar uma resposta das autoridades angolanas para este mega projecto. Por outro lado, uma empresa farmacêutica indiana pretende criar, em Angola, uma unidade de produção de fluidos intravenosos, além de um centro de produção de membros artificiais. São projectos que vão permitir transferir tecnologias para Angola a custo zero.

JA - Como a crise económica afectou a cooperação entre os dois países?

EAG - A crise não afectou o comércio entre os nossos dois países, porque a economia da Índia é principalmente doméstica e os seus fundamentos são fortes. Os empresários indianos são, por natureza, inovadores e cautelosos e o sector bancário é bem regulado e gerido por pessoas eficientes. Todos estes aspectos  ajudaram a suportar o impacto e continuar a crescer acima de 7 por cento, quando muitas economias mundiais contraíram. Este ano a Índia aprovou duas linhas de crédito para Angola: a primeira, no valor de 30 milhões de dólares, para a construção de um parque industrial, e outra, avaliada em 15 milhões de dólares, para reabilitar  a produção de algodão.

JA - Existe alguma cooperação no ramo da formação de quadros?

EAG -
Já existiu e estamos a dar passos para relançar. Em 1986, o então primeiro-ministro Rajiv Ghandi veio a Angola e encontrou-se com o Presidente José Eduardo dos Santos. Ambos tornaram-se muito amigos, porque tinham obtido formação no exterior. Em 1987, o Presidente José Eduardo dos Santos foi a Índia e, no seu regresso, decidiu que a prioridade na cooperação seria a educação. Foram seleccionados 40 estudantes e enviados para a Índia, em 1989. Estudaram Ciências, Comércio, Farmácia e Línguas. Conheço alguns que ocupam hoje cargos governamentais e outros são homens de negócios. Com o recrudescimento da guerra, o programa parou. Mas, a Índia oferece, todos os anos, vários cursos de formação através do Programa Técnico Económico da Cooperação da Índia. Temos milhares de participantes da África, Ásia, América Latina e Europa Ocidental. No próximo ano, 50 angolanos vão a Índia para formação.

JA - Que áreas de formação os angolanos podem buscar da Índia?

EAG - Na formação de contabilistas, gestores e engenheiros, principalmente.A Índia tem, também, reputação mundial nas tecnologias de informação, biotecnologia, nanotecnologia, indústria farmacêutica, agricultura e criação de pequenas e médias indústrias, além de uma enorme rede de instituições de formação de cursos para as pessoas analfabetas. São cursos que vão de duas semanas a três meses ou mesmo um ano e que pode contribuir para o desenvolvimento de Angola.

JA – Que significado tem para a Índia a cooperação com Angola?

EAG - Angola é para nós mais do que um grande fornecedor de petróleo. A Índia importa hoje cerca de 7 por cento da produção petrolífera de Angola, mas gostaríamos de comprar mais, a partir da Sonangol, talvez chegar aos 10 por cento. Temos 18 refinarias e importamos 70 por cento de petróleo que necessitamos para transformar. Mas, para a Índia, Angola é mais do que isso. É, também, uma componente importante na solução de problemas globais, como a crise alimentar mundial e um interveniente importante na resolução de conflitos regionais. Em toda a história, não me recordo de um país que tenha crescido tanto quanto Angola em apenas oito anos. É importante que os angolanos se sintam orgulhosos e possam dizer: esta é a minha pátria, este é o meu trabalho, esta é a minha casa, esta é a minha rua. Esta demonstração de orgulho eleva o patriotismo. Este é também um dos segredos do sucesso da Índia.

JA - Que similaridades vê entre Angola e Índia?

EAG - Ambos combatem os mesmos inimigos: a pobreza e o desemprego. Angola é rica em recursos naturais (petróleo e diamantes), que está a reconstruir-se depois de uma longa guerra de quase três décadas. Se apostar forte na educação de qualidade, vai rapidamente juntar-se aos países responsáveis pelo crescimento da economia mundial. Tem enormes recursos, grandes extensões de terras aráveis, muita água, estabilidade política e uma liderança forte. Angola tem bons ministros, mas precisa ter professores, médicos, engenheiros e cientistas suficientes para desenvolver o país. Quando preencher este vazio,vai dar cartas no mundo.

JA - Como está o relacionamento entre empresários dos dois países?

EAG – As companhias estatais de petróleo dos dois países (a Sonangol e a Oil and Natural Gás Corporation Videsh Ltd) assinaram, em Janeiro deste ano, em Luanda, um acordo para cooperar na exploração de petróleo e gás não apenas em Angola e na Índia, mas também noutros países. O número de angolanos que visitam a Índia triplicou nos últimos três anos e grande parte é composta por homens de negócios. Os visitantes à Feira de Negócios e Comércio da Índia também têm aumentado e o encontrode negócios Índia-África atrai cada vez mais angolanos. O número de visitas empresariais de indianos para Angola ainda é reduzido, por causa de dificuldades na obtenção de vistos. São poucas as companhias a operar em Angola. Estão na produção de aço, plásticos, papel e na indústria farmacêutica. Mas existem muitas que querem cá vir.

JA - Que incentivos existem para estimular os investimentos entre os dois países?

EAG – A embaixada da Índia em Luanda e de Angola em Nova Dheli são os locais ideais para obter informações sobre como aceder ao capital, tecnologias e estabelecer parcerias com empresários indianos. No nosso site, na Internet, existem informações sobre as câmaras de comércio ou feiras de  negócios. O encontro Índia-África, organizado pela Confederação das Indústrias e o EXIM Bank da Índia, é outra oportunidade. Mas, os dois governos devem primeiro assinar alguns documentos para proteger os investimentos. Esperamos poder fazê-lo durante a próxima visita do Presidente José Eduardo dos Santos a Índia.

Outgoing Ambassador meets the President

amb4

India has proposed a rail link between North and South, a network of road transport for each province.

The matter was discussed yesterday at the Presidential Palace High in Luanda during the hearing that President Jose Eduardo dos Santos gave the ambassador of India to Angola, Ajjampur Rangaiah Ghanashyam .

The meeting served the purpose of the Indian diplomat presenting his farewell greetings to the President after a mission of nearly three years in the country.

Speaking to reporters at the end of the meeting, Ajjampur Rangaiah Ghanashyam said his country intends to make available to Angolans to their expertise in human and technological development .

Ajjampur Rangaiah Ghanashyam said that during his mission in Angola, trade between the two countries amounted to a value exceeding 500 billion dollars , surpassing 400 million in previous years.

With the President , the Indian diplomat said he discussed the current situation of bilateral relations and described the meeting as " excellent and very useful. "

According Ajjampur Rangaiah Ghanashyam , President Jose Eduardo dos Santos expressed his country's interest in taking advantage of the technological experience of India.

India wants to expand co-operation, currently based on petroleum , agriculture and small industry, education and health. India is present in the Angola LNG ( liquefied natural gas ) in Soyo, in building a cement factory in Sumbe ( Kwanza Sul) and the draft recovery of Railways Iron Moçâmedes , Lubango ( Huila ).

The Indian diplomat believed that there can be progress in important areas for bilateral cooperation and expressed the readiness of his country to train staff of public administration.

Currently they are in the country about five thousand Indians, of whom 3500 work in the Liquefied Natural Gas Project in Soyo, Zaire Province.

Índia propõe linha-férrea

Santos Vilola - 17 de Setembro, 2010


amb3


Ajjampur Ghanashyam manifestou ao Presidente da República o interesse do seu país em alargar a cooperação

A Índia propõe uma ligação ferroviária entre o Norte e o Sul do país e uma rede de transportes rodoviários para cada província.
O assunto foi discutido ontem, no Palácio Presidencial da Cidade Alta, em Luanda, durante a audiência que o Presidente José Eduardo dos Santos concedeu ao embaixador da Índia em Angola, Ajjampur Rangaiah Ghanashyam.

O encontro serviu para o diplomata indiano apresentar ao Presidente da República cumprimentos de despedida, depois de uma missão de cerca de três anos no país

Falando  à imprensa, no final do encontro, Ajjampur Rangaiah Ghanashyam disse que o seu país pretende colocar à disposição dos angolanos a sua experiência em matéria de desenvolvimento humano e tecnológico.

Ajjampur Rangaiah Ghanashyam afirmou que durante a sua missão em Angola, as trocas comerciais entre os dois países elevaram-se para um valor superior a 500 mil milhões de dólares, superando 400 milhões dos anos anteriores.

Com o Presidente da República, o diplomata indiano disse ter discutido o momento actual das relações bilaterais e descreveu o encontro como “excelente e muito útil”.

Segundo Ajjampur Rangaiah Ghanashyam, o Presidente José Eduardo dos Santos manifestou o interesse do país em aproveitar a experiência tecnológica da Índia.

A Índia quer alargar a cooperação, actualmente baseada nos petróleos, agricultura e pequena indústria, aos sectores da educação e saúde. A Índia está presente no Projecto Angola LNG (de gás natural liquefeito), no Soyo, na construção de uma fábrica de cimento no Sumbe (Kwanza-Sul) e no projecto de recuperação dos Caminhos-de-Ferro de Moçâmedes, no Lubango (Huíla).

O diplomata indiano acredita que pode haver progressos em áreas importantes para a cooperação bilateral e manifestou a disponibilidade do seu país em formar quadros da administração pública.

Actualmente estão no país cerca de cinco mil indianos, dos quais 3.500 trabalham no Projecto de Gás Natural Liquefeito, no Soyo, província do Zaire.